FILOSOFIA DA MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR

Francisco Regis Vieira Alves, Hermínio Borges Neto

Resumo


O modelo standart de disposição das disciplinas obrigatórias na formação de um licenciado em Matemática oportuniza a constituição e evolução profissional dicotômicas. De um lado, as disciplinas de cunho específico; do outro, as disciplinas de natureza pedagógica. Este modo de organização curricular e concepção de formação é alvo de questionamentos no âmbito nacional e internacional. Além disso, há que se observar determinadas incoerências da contribuição de cada área, tais como: apresentação de teorias pedagógicas gerais que se prestam apenas como um conteúdo informacional e não operacional para o ensino de Matemática; o formalismo extremado dos conteúdos específicos e a carência de propostas metodológicas para o ensino de Matemática; o tratamento meramente lógico e axiomático de conteúdos que poderiam propiciar ao professor em formação um viés histórico, filosófico e epistemológico. Desta forma, discuti-se neste artigo a incorporação de Filosofia da Educação Matemática como uma dimensão necessária para a formação do professor de Matemática. Além disso, sugerem-se alguns conteúdos que frequentemente não são objeto de análise nos currículos da graduação. Concluí-se com a proposição de um quadro de formação que proporcione ao aluno a compreensão de outras facetas do saber matemático, além do lógico-formal que se apresenta como o modelo predominante nas universidades.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v6i1.384

Direitos autorais