MUSEU ITINERANTE DE QUÍMICA (MIQ): EXPERIÊNCIA COMO FOCO PARA DISCUSSÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA NA FORMAÇÃO INICIAL DOCENTE NO INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ (IFPI-PICOS)

Francisca das Chagas Alves da Silva, Maria Mozarina Beserra Almeida, Silvany Bastos Santiago

Resumo


A formação inicial é o momento em que o futuro Professor de Química conhece os processos de ensino e aprendizagem, as metodologias e tem a possibilidade de desenvolver o senso investigativo; iniciar as pesquisas no sentido de contribuir para o Ensino de Química. Nesse sentido esse trabalho buscou identificar a contribuição da construção-participativa do MIQ (Museu Itinerante de Química) para dez alunos do quinto período da licenciatura em Química, através de discussões sobre Alfabetização Científica (AC), no Ensino de Química. A pesquisa realizou-se no Instituto Federal de Educação/Picos (IFPI-PI) no período de dezembro de 2014 a abril de 2015. É uma pesquisa qualitativa e descritiva, onde as ações seguiram a orientação da pesquisa participante. Através da construção do MIQ os licenciandos puderam se apropriar dos aportes teóricos da alfabetização científica prática, cívica e cultura e vinculá- los as seções do MIQ, contribuindo com a formação de professores de Química conscientes do seu papel na promoção da educação científica.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, dez. 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm >. Acesso em: 20 abr. 2016.

____. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, PCN+ Ensino médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/Semtec, 2002.

CAJAS, F. Alfabetización científica y tecnológica: La transposição didactica del conocimiento tecnológico. Enseñanza de lãs Ciencias, v. 19, n. 2, p. 243 – 254, 2001.

CAZELLI, S.; MARANDINO, M.; STUDART, D. Educação e comunicação em museus de ciências: aspectos históricos, pesquisa e prática. In: GOUVEIA, G.; MARANDINO, M.; LEAL, M. C. (Ed.). Educação e Museu: a construção social do caráter educativo dos museus de ciências. Rio de Janeiro: Access/Faperj, 2003.

CERATI, T. M.; MARANDINO, M. Alfabetização científica e exposições de museus de ciências. In: Anais eletrônicos do Congresso Internacional sobre Investigacion en Didáctica de las Ciências. Girona: Universitat Autónoma de Barcelona, 2013. v. 9, p. 771 – 775. Disponível em: < http://www.geenf.fe.usp.br/v2/wp-content/uploads/2015/10/art_709.pdf >. Acesso em: 20 dez. 2015.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

LEAL, M. C. Didática da Química: Fundamentos e Práticas para o Ensino Médio. Belo Horizonte: Dimensão, 2009.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio, Minas Gerais, v. 3, n. 1, p. 1 – 17, 2001.

MAGALHÃES, C. E. R.; SILVA, E. F. G.; GONÇALVES, C. B. Interface entre alfabetização científica e divulgação científica. Revista Amazônica de Ensino de Ciências (Areté), Manaus, v. 5, n. 9, p. 14 – 28, 2012.

MARANDINO, M. A pesquisa educacional e a produção de saberes nos museus de ciência. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, v. 12 (suplemento), p. 161 – 181, 2005.

MARCO-STIEFEL, B. La alfabetización científica. In: PALACIOS, F. J. P.; LEÓN, P. C. (Ed.). Didáctica de las Ciências Experimentales. Alcoy: Marfil, 2000. p. 141 – 164.

MILARÉ, T.; RICHETTI, G. P.; ALVES FILHO, J. P. Alfabetização científica no ensino de química: uma análise dos temas da seção química e sociedade da revista química nova na escola. Química Nova na Escola, v. 31, n. 3, p. 165–171, 2009.

MINAYO, M. C. S. (Ed.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

NASCIMENTO, S. S.; SIMAN, L. M. C.; PEREIRA, J. S.; SANTIAGO, C. F. As práticas educativas em museus de Minas Gerais: Um duplo olhar sobre a ação educativa. In: Reunión de la red pop red de popularización de la ciência y la tecnologia en América Latina e el Caribe. Caribe: UNESCO, 2009. v. 11.

NUNES, A. S.; ADORNI, D. S. O ensino de química nas escolas da rede pública de ensino fundamental e médio do município de Itapetinga-BA: O olhar dos alunos. In: Anais Eletrônicos do Encontro Dialógico Transdisciplinar - ENDITRANS. Vitória da Conquista: UESB, 2010. Disponível em: < http://www.uesb.br/recom/anais/conteudo.php?pagina=02 >. Acesso em: 21 jan. 2015.

OVIGLI, D. F. B. Práticas de ensino de ciências: o museu como espaço educativo. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 133 – 149, 2011.

PINTO, G. A. (Ed.). Divulgação Científica e Práticas Educativas. 1. ed. Curitiba: CRV, 2010. 209 p.

PISA. Relatório Nacional PISA 2012. Resultados brasileiros. 2012. Disponível em: < http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/resultados/2014/relatorio_nacional_pisa_2012_resultados_brasileiros.pdf >. Acesso em: 01 jun. 2015.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. d. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em ensino de Ciências, v. 13, n. 3, p. 333–352, 2008.




DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v9i4.967