MAPAS CONCEITUAIS COMO FERRAMENTA FACILITADORA DA APRENDIZAGEM DO ENSINO DE QUÍMICA ORGÂNICA

Suiane Costa Alves, Esilene Reis, Dafne Alexandre Cavalcante, Maria Goretti Vasconcelos Silva

Resumo


O presente trabalho relata a investigação realizada em uma turma do Ensino Médio de uma escola pública na cidade de Maracanaú – CE. Foram utilizados mapas conceituais (MCs) como ferramenta facilitadora da aprendizagem do ensino de Química. Este estudo foi norteado pela teoria da aprendizagem significativa desenvolvida por David Ausubel, produzindo resultados satisfatórios com o uso dos MCs como ferramenta na construção da aprendizagem do conteúdo abordado. Este estudo confirma que a relação entre conceitos apresentados através de MCs pode ser assimilada pelos estudantes, promovendo a aprendizagem significativa.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, N. R. S. de; BUENO, E. A. S.; ALMEIDA, F. A. de S.; BORSATO, D. O petróleo e sua destilação: uma abordagem experimental no ensino médio utilizando mapas conceituais. Semina: Ciências Exatas e Tecnológicas, v. 27, n. 1, p. 57–62, 2006.

AUSUBEL, D. Educational Psychology: A Cognitive View. New York and Toronto: Holt, Rinehart and Winston, 1968.

____. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

____. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Editora Plátano, 2000.

AUSUBEL, D.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980. Tradução Eva Nick.

CORREIA, P. R.; JR, J. W. D.; INFANTEMALACHIAS, M. E. Mapeamento conceitual como estratégia para romper fronteiras disciplinares: A isomeria nos sistemas biológicos concept mapping as a tool to break disciplinary boundaries: isomerism in biological systems. Ciência & Educação, SciELO Brasil, v. 14, n. 3, p. 483–95, 2008.

FREITAS FILHO, J. R. de. Mapas conceituais: estratégia pedagógica para construção de conceitos na disciplina química orgânica. Ciências & Cognição, v. 12, p. 86–95, 2007.

MAFFRA, S. O uso dos mapas conceituais como recurso didático pedagógico facilitador do processo de ensino aprendizagem. Monografia (Trabalho de Conclusão de Pós-Graduação Lato Sensu) — Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, 2010.

MOREIRA, M. A. A pesquisa em educação em ciências e a formação permanente do professor de ciências. In: SANCHEZ, J. M.; ONORBE, T. Y.; BUSTAMANTE, G. L. (Ed.). Educación Científica. Espanha: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Alcalá, 1998.

____. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. 2012. Disponível em: < http://www.if.ufrgs.br/~moreira/mapasport.pdf >. Acesso em: 22 mar. 2016.

____. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Porto Alegre: Ed. UFRGS, Instituto de Física, 2013.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de aprendizagem de David Ausubel. 2. ed. São Paulo: Centauro Editora, 2009.

NOVAK, J. D. Apreender, Criar e Utilizar o Conhecimento. Mapas Conceptuais como Ferramentas de Facilitação nas Escolas e Empresas. Lisboa: Editora Plátano, 2000.

____. Meaningful learning: The essential factor for conceptual change in limited or inappropriate propositional hierarchies leading to empowerment of learners. Science education, Wiley Online Library, v. 86, n. 4, p. 548–571, 2002.

PELIZZARI, A.; KRIEGL, M. d. L.; BARON, M. P.; FINCK, N. T. L.; DOROCINSKI, S. I. Teoria da aprendizagem significativa segundo ausubel. revista PEC, v. 2, n. 1, p. 37–42, 2002.

TAVARES, R. Aprendizagem significativa. Revista conceitos, v. 55, n. 10, 2004. Disponível em: < http://www.fisica.ufpb.br/~romero/objetosaprendizagem/Rived/Artigos/2004-RevistaConceitos.pdf >. Acesso em: 13 dez. 2015.

TOIGO, A. M.; MOREIRA, M. A.; COSTA, S. S. C. da. Revisión de la literatura sobre el uso de mapas conceptuales como estrategia didáctica y de evaluación (a review about the use of concept maps as learning and evaluation strategy). Investigações em Ensino de Ciências, v. 17, n. 2, p. 305–339, 2012.

TRINDADE, J. O. d.; HARTWIG, D. R. Uso combinado de mapas conceituais e estratégias diversificadas de ensino: uma análise inicial das ligações químicas. Química Nova na Escola, SBQ, v. 34, n. 2, p. 83–91, 2012.




DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v9i4.963