COMUNIDADES TRADICIONAIS: SABERES E SABORES DOS INDIGENAS DE ARATUBA AOS QUILOMBOLAS DE BATURITÉ- CE

Thayres Maciel, Magno de Sousa, Anna Érika Lima

Resumo


As comunidades tradicionais são reconhecidas pelo seu modo de organização e cultura pró- pria, por ter seus costumes, práticas, religião e reprodução social baseadas na ancestralidade e em suas tradições. Entre as existentes no território brasileiro e no Ceará, especificamente, tomamos como objeto de estudo a aldeia Kanindé de Aratuba onde vivem 185 famílias, cerca de 641 habitantes, e os Quilombolas da Serra do Evaristo localizado no Município de Baturité, onde residem atualmente 150 famílias, aproximadamente, 560 habitantes; ambas vivem, principalmente, da agricultura familiar, a qual é responsável pela sua principal fonte de alimentação. Nesse contexto, definimos o recorte espacial dessas comunidades pela sua historicidade e expressiva cultura alimentar, com o foco na identificação dos seus alimentos tradicionais, considerando seus saberes e costumes locais. Para consolidação desta pesquisa, foi fundamental o desenvolvimento de um estudo etnográfico, que nos possibilitou por meio de observação participativa efetivar o levantamento de dois pratos tradicionais da aldeia que foram o mungunzá salgado e o pirão de fava; e três no quilombo o mungunzá salgado, doce de mamão e a cocada, sendo que desses, dois possuem as mesmas características e modos de preparo diferente além de serem comumente consumidos em épocas festivas são reconhecidos como alimentos tradicionais pelas duas comunidades.


Texto completo:

PDF

Referências


CANESQUI, A. M. Antropologia e alimentação. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 207–215, 1988.

CRUZ, F. T. da; MENASCHE, R. Alimentos tradicionais, modos de vida e patrimônio cultural: uma reflexão a partir do queijo serrano. Ateliê Geográfico, Goiania - GO, v. 6, n. 3, p. 28–51, 2012.

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V. Os Saberes Tradicionais e a Biodiversidade no Brasil. São Paulo: NUPAUB- USP, MMA, 2000. 211 p.

KANINDÉ. Blog da comunidade indigena kanidé de aratuba. 2014. Disponível em: < http://escolakaninde-indio.blogspot.com.br/ >. Acesso em: 23 de Dez.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2013.

LIMA, M. F. F. de. Comida como cultura. Revista de Ciências Sociais da UFC, Ceará, v. 40, n. 1, p. 107–111, 2009.

LITTLE, P. E. Conhecimentos tradicionais para o século xxi: etnografias da interficientificidade. SP: Annablueme, São Paulo, p. 289, 2010.

MALUF, R. S. Segurança alimentar e nutricional. RJ: Vozes, Petrópolis, p. 174, 2007.

OLIVEIRA, J. B. Comunidade remanescente de quilombo: um novo conceito. Paraíba-PB, 2011.

PIDNER, F. S. Comunidades tradicionais: os saberes locais para além das cercas da ciência moderna. In: V Simpósio Internacional de Geografia Agrária. Belém-PA: Anais do V SINGA, 2011.

SALGADO, C. A. B. Segurança alimentar e nutricional em terras indígenas. Revista de Estudos e Pesquisas, FUNAI, Brasília, v. 4, n. 1, p. 131–186, 2007.

VANSINA, J. A tradição oral e sua metodologia. In: História geral da África I. Metodologia e pré-história da África. Brasília: UNESCO, 2010. p. 139–166.

ZUIN, L. F.; ZUIN, P. B. Produção de alimentos tradicionais - contribuindo para o desenvolvimento local/regional e dos pequenos produtores. G&DR, Taubaté, SP, v. 4, n. 1, p. 109–127, 2008.




DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v10i3.869