USO DO ÓLEO DE CRAVO NA SIMULAÇÃO DE TRANSPORTE DE JUVENIS DE TILÁPIA DO NILO

Antonio Glaydson Lima Moreira, Wladimir Ronald Lobo Farias

Resumo


O presente trabalho avaliou o efeito do óleo de cravo na qualidade da água e no comportamento de juvenis de tilápia do Nilo submetidos à simulação de um transporte de quatro horas em sacos plásticos, contendo 5, 10, 15 e 20 mg L-1 do anestésico, com 4 repetições por tratamento. Após a distribuição dos peixes nos sacos plásticos já com as diferentes doses do anestésico na água, os mesmos foram inflados com oxigênio puro e, em seguida, amarrados com ligas de borracha. Durante todo o experimento, os animais foram monitorados visualmente para avaliar o padrão comportamental. Os parâmetros físicos e químicos da água foram monitorados no tanque de aclimatação e imediatamente após a simulação do transporte. O óleo de cravo não interferiu nos valores de oxigênio dissolvido e pH da água após as quatro horas de simulação do transporte, enquanto que os parâmetros temperatura, amônia total e condutividade elétrica, bem como o comportamento dos indivíduos, apresentaram variações significativas, dependendo da concentração do anestésico. Os animais expostos à menor concentração permaneceram durante todo o experimento no estágio I de anestesia, enquanto os peixes submetidos ao tratamento com 10 mg L-1 atingiram o estágio II. Os indivíduos expostos à concentração de 15 mg L-1 atingiram o estágio IV, enquanto os peixes submetidos à maior concentração de óleo de cravo alcançaram o estágio VI caracterizado pelo colapso medular. De acordo com os critérios adotados, a concentração de óleo de cravo mais indicada para o transporte de juvenis de tilápia é de 15 mg L-1.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v9i3.827