O REGIME DE INTERNATO COMO ESTRATÉGIA DE EQUALIZAÇÃO DE OPORTUNIDADES AOS DISCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ - CAMPUS CRATO

Maria Lucileide Costa Duarte, Zósimo Mota Queiroz

Resumo


Objeto de pesquisas e estudos de conceituados autores, a residência estudantil passou por mudanças que refletiram na sociedade. O Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES, em suas ações, cita o direito à moradia. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - campus Crato, desde sua gênese, tem o internato público masculino como fundamento de sua estrutura de ensino. No ano de 2008, através da Lei no 11.892 de 30 de dezembro, as escolas agrotécnicas integraram os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, renovando a organização e gestão, sem excluir a oferta e objetivo do internato. Objetiva-se com esse estudo conhecer o regime de residência estudantil, sua eficácia como política de assistência estudantil e otimizar essa estrutura de assistência ao educando. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, permeando o internato como política de assistência estudantil, sua trajetória histórico-social e sua efetivação na Instituição aqui referenciada. A metodologia utilizada consistiu na leitura de livros, artigos, documentos oficiais, leis e decretos para conhecimento do assunto e posterior descrição. Conclui-se que, uma vez implantado o regime de internato, a instituição não deve ignorar a responsabilidade por ele advinda, pois a residência estudantil é um serviço que oferece assistência integral ao alunado, além de ser um recurso para a captação e permanência de estudantes provenientes de famílias em situação de vulnerabilidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉS, A. Aspectos da Assistência Estudantil nas Universidades Brasileiras. Consultoria Legislativa da Área XV Educação e Cultura. Brasília: [s.n.], 2011. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. Centro de Documentação e Informação. Disponível em: < http://www.bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/

/aspects_assistencia_andres.pdf?sequence=3 >. Acesso em: 25 dez. 2012.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. Tradução Dora Flaksman.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 1988. Disponível em: < www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/con1988_05.10.1988/con1988.pdf >. Acesso em: 25 dez. 2012.

_____. Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm >. Acesso em: 24 out. 2012.

_____. Decreto nº 7.234 de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência EstudantilPNAES. 2010. Disponível em: < http//gest~ao2010.mec.gov.br/marcos_legais/decree_36.php >. Acesso em: 25 dez. 2012.

_____. Ministério da Educação. Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. 2013. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id13175.Acesso >. Acesso em: 23 jan. 2013.

CAMPOS, J. d. O. Análise comparativa dos modelos curriculares de educação profissional agrícola: sistema escola-fazenda e formação por competência no CEFET de Urutaí/GO. Dissertação (Mestrado em Educação Agrícola) — Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2005.

CONAE. Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: O Plano Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação. Documento referência. Brasília: [s.n.], 2010. Disponível em: < portal.mec.gov.br/dmdocuments/cadfinal_educ_integral.pdf >. Acesso em: 25 dez. 2012.

FEITOSA, T. d. S. As "reformas"do ensino profissionalizante de 1996 a 2006 na Escola Agrotécnica Federal de Crato Ceará: acomodação à legislação ou consciência da prática? Dissertação (Mestrado em Educação Agrícola) — Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2010.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 37. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. Tradução de Raquel Ramalhete.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2008. 312p.

IFCE. PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018. Crato, 2013. P.12.

MARTINELLI, M. L. Serviço Social: identidade e alienação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2003. 165p.

OTRANTO, C. R. A Política de Educação Profissional do Governo Lula: novos caminhos da educação superior In: 34ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED-NATAL, RN. 2011. Disponível em: < http://34reuniao.anped.org.br/images/trabalhos/GT11/GT-315%20int.pdf >. Acesso em: 13 fev. 2013.

PACHECO, E. Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. São Paulo: Moderna, 2011.

SOBRAL, F. J. M. Retrospectiva histórica do ensino agrícola no brasil. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, v. 2, n. 2, p. 78 – 95, 2009.

VASCONCELOS, N. B. Programa nacional de assistência estudantil: Uma análise da evolução da assistência estudantil ao longo da história da evolução da educação superior no brasil. Ensino Em-Revista, v. 17, n. 2, p. 599 – 616, 2010.

YASBEK, M. C. Classes subalternas e assistência social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2003. 184p.




DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v10i1.784