AS TECNOLOGIAS DIGITAIS NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DO PORTUGUÊS

Marcos José Fernandes de Freitas

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar como as tecnologias digitais, em especial os fóruns de discussão, podem contribuir ou dificultar o ensino e o aprendizado do português. Tem-se como pressuposto teórico os estudos de Pierre Lévy e Vani Moreira Kenski, a priori, tais quais Cibercultura, Educação e Tecnologias, Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. As categorias de estudo são as tecnologias digitais na educação, modalidade EAD, Linguística Aplicada (LA) e Língua Portuguesa (LP). A pesquisa tem caráter qualitativo referenciada por pesquisas teóricas, em que se utilizarão de observações científicas, sempre contextualizando os referenciais e aplicando as teorias norteadoras da pesquisa. A relevância deste estudo dá-se para discutir ensino e aprendizagem do português por meio da observação de ambientes virtuais de aprendizagem, procurando discutir métodos e processos de desenvolvimento linguístico.


Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, M.; RANGEL, E. d. O. Tarefas da educação linguística no Brasil. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 5, n. 1, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbla/v5n1/04.pdf >. Acesso em: 06 fev. 2013.

BRASIL. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Educação e Cultura. Referenciais de qualidade para a educação superior a distância. 2007. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf >. Acesso em: 19 jul. 2015.

DAVID, P. B.; FILHO, J. A. C.; SPINILLO, A. G.; SIQUEIRA, R. A. Gêneros assíncronos: instrumentos de interação em ambientes virtuais de aprendizagem. In: XXVI CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO. Campo Grande: Anais do Congresso Sbc, 2006. p. 9. Disponível em: < http://www.br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/893/879 >. Acesso em: 07 mar. 2013.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. 9. ed. Campinas: Papirus, 2003.

_____. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 6. ed. Campinas: Papiros, 2007.

LEFFA, V. J. A linguística aplicada e seu compromisso com a sociedade. In: VI CONGRESSO BRASILEIRO DE LINGUíSTICA APLICADA, 6. 2001, BELO HORIZONTE. Anais do VI Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada. Belo Horizonte: Ufmg, 2001. p.

–15.

LÉVY, P. Cibercultura. 3. ed. São Paulo: 34, 1999.

MARTINS, C. A.; VASCONCELOS, F. H. L.; OLIVEIRA, F. K.; SANTANA, J. R.; SOUSA, M. I. P. de. In: SANTANA, J. R.; VASCONCELOS, J. G.; CECATTO, V. M. (Ed.). Inovações, Cibercultura e Educação. Fortaleza: Edições UFC, 2011. 309 p.

MORAN, J. M. As possibilidades das redes de aprendizagem. In: MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 2. ed. Campinas: Papirus, 2007. p. 89 – 111. Disponível em: < http://www.eca.usp.br/prof/moran/site/textos/ >. Acesso em: 16 jul. 2015.

PRATA, G. C. F. B. FORMAÇÃO DOCENTE: (RE) CONSTRUINDO-SE PROFESSOR REFLEXIVO. In: MORAES, Silvia Elizabeth (Org.). Currículo e formação docente: um diálogo interdisciplinar. Campinas: Mercado das Letras, 2008. p. 307–316.

SANTOS, M. J. C. Olhares na educação científica e matemática: holístico, interdisciplinar, aprendizagem significativa e m-learning. In: SANTANA, José Rogério et al (Org.). Inovações, Cibercultura e Educação. Fortaleza: Edições Ufc, 2011. p. 253–282.

SOARES, D. d. A. A linguística aplicada no brasil. In: FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA (Brasília) (Org.). Introdução à

Linguística Aplicada. Brasília: Fgf, 2010. p. 23. Livro destinado ao curso de pós-graduação em Tecnologias e Educação a Distância.

VENTURA, P. P. B. Interações sociais em comunidades virtuais de aprendizagem. In: SANTANA, José Rogério et al (Org.). Inovações, Cibercultura e Educação. Fortaleza: Edições Ufc, 2011. p. 213–235.




DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v10i2.662