QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MELÃO “TORREON” PARA EXPORTAÇÃO

Francisca Deuzenir Marques Anselmo, EBENÉZER DE OLIVEIRA SILVA, RAIMUNDO WILANE DE FIGUEIREDO

Resumo


Avaliou-se a vida útil pós-colheita de melões ‘Torreon’, sob refrigeração, tratados com SmartFreshTM (1-Metilciclopropeno, 1-MCP) após a colheita. Os frutos foram colhidos em estádio comercial (75% de rachadura do pedúnculo), numa fazenda localizada na região de Mossoró, no Rio Grande do Norte, sendo transportados via terrestre para o Laboratório de Fisiologia e Tecnologia Pós-colheita da Embrapa, Fortaleza-CE, distante cerca de 240 quilômetros. No laboratório, os frutos foram separados em três lotes e colocados em câmaras plásticas (0,186m3), vedadas com tampa de acrílico, para a aplicação de 1-MCP gasoso, nas dosagens de 0, 300 e 600 ηL.L-1 (ppb), por períodos de exposição de 6 e 12 horas. Após a aplicação do 1-MCP, os frutos foram acondicionados em caixas de papelão e armazenados por 21 ou 28 dias, na temperatura de 7±1ºC e umidade relativa de 80±2%. Após esses períodos de armazenamento refrigerado, os frutos foram transferidos para o ambiente (25±3ºC, 65±5%UR), extraiu-se a polpa até a região delimitante da parte comestível com a casca. Após homogeneização em processador doméstico, parte do suco foi armazenada em freezer para o doseamento de açúcares totais, açúcares redutores, pH, acidez total e sólidos solúveis totais.

Observaram-se, de uma maneira geral, em ambos os experimentos (21 e 28 dias de armazenamento refrigerado), que os frutos controle apresentaram teor de SS superior ao dos frutos tratados com 1-MCP e esse fato foi dependente da dosagem utilizada.

Não houve diferença significativa entre os períodos de armazenamento, ou seja, o melão ‘Torreon’, quando tratado com 1-MCP pode ser armazenado tanto por 21 como por 28 dias sem prejuízo da sua comercialização.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v15i0.568

Direitos autorais 2021 Conexões - Ciência e Tecnologia