Avanço do Periélio de Mercúrio – O Primeiro Sucesso da Teoria da Relatividade Geral de Einstein

Oswaldo Duarte Miranda

Resumo


Em conjunto com o desvio da luz de estrelas distantes pelo campo gravitacional do Sol (comprovado através de observações durante o eclipse solar de 1919), e do desvio para o vermelho na frequência de um feixe de luz pela ação de um campo gravitacional (comprovado pelo experimento de Pound e Rebka realizado em 1960), o movimento secular do periélio de Mercúrio configura-se num dos chamados “testes clássicos" da teoria da relatividade geral (TRG) de Albert Einstein. Em particular, o cálculo do movimento anômalo de Mercúrio foi a primeira peça de evidência empírica que ajudou a estabelecer a TRG como uma das mais belas teorias da física. Em 1915, Einstein incluiu esse cálculo, como uma aplicação, no artigo em que apresentou a sua teoria de gravitação. O valor obtido através da TRG contribuiu para dar confiança à nova teoria através de um problema empiricamente testável e que, na sua primeira aplicação, resolvia um dos maiores problemas da mecânica celeste à época. Neste trabalho, descrevemos os aspectos históricos relacionados aos estudos sobre os movimentos dos planetas. Em particular, discutimos como o movimento anômalo de Mercúrio foi analisado no âmbito da mecânica clássica, comparando a previsão clássica com os dados observacionais estabelecidos naquele período. Finalmente, comparamos a resposta clássica ao movimento anômalo de Mercúrio com o valor obtido através da TRG – o primeiro sucesso da teoria de gravitação de Einstein.

Palavras-chave


Teoria da Relatividade Geral. Mecânica Celeste. Avanço no Periélio de Mercúrio.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v13i2.1670