Avaliação do Efluente da Estação de Tratamento de Efluente de uma Indústria de Tintas Segundo as Legislações Ambientais Vigentes sobre a Emissão de Efluentes

Alyne Gonçalves Leite, Maria do Socorro Ribeiro Hortegal Filha, Carlos Ronald Pessoa Wanderley, Rossana Barros Silveira, Adna Viana Dutra

Resumo


Dentre os setores mais poluentes no Brasil destaca-se o âmbito industrial da fabricação de tintas, por isso a necessidade que exista um eficiente tratamento dos efluentes, para que alcancem os parâmetros exigidos pelas normas e leis vigentes. O presente artigo foi realizado em uma Indústria de tintas, localizada no município de Maracanaú/CE e objetiva-se em avaliar o desempenho da ETE, tratando o efluente produzido. A metodologia utilizada seguiu basicamente cinco etapas: Caracterização da Indústria de Tintas, análise do processo produtivo, levantamento de dados, monitoramento da ETE, e tabulação dos dados. Nos resultados verificou-se que o a DQO encontra-se 365 mg/L acima do exigido. Conclui-se então que a indústria de Tintas deve incluir um processo de tratamento complementar em sua ETE, para aumentar o nível de remoção de DQO. Este trabalho serve de suporte e alerta para indústrias desse setor.

Palavras-chave


Indústria de tintas; Efluente industrial; Estação de tratamento; Legislação ambiental; Resolução COEMA nº 02/2017.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21439/conexoes.v12i1.1283